Loading...

2006-07-21

Aquijazz no Grande Auditório do Rivoli


O fantástico grupo Aquijazz levou ao Rivoli o seu concerto. Esta sala de espectáculos do Porto, recebeu de forma entusiástica, o grupo que conseguiu mostrar o seu trabalho em condições exemplares. A forma simples, moderna e descontraída com que brindou a assistência, chegou a obter momentos de verdadeira qualidade artística e emotiva, fazendo deste grupo vocal, único no seu género, dentro e fora de fronteiras do nosso grande país!

Subir a um palco assim, é um verdadeiro prazer e um momento sempre único para qualquer artista. Deixar-nos envolver, por todos e com todos, do palco ao público, é o toque que nos faz avançar e crescer. Transmitir isso, é o truque e afinar com “jazzer” é o toque de génio e, porque não, de género. Aquijazz está a tornar-se numa verdadeira escola, senão de músicos, de sentimentos! O melhor e o pior fazem parte do jogo… e vale verdadeiramente a pena vivê-lo e jogá-lo. Como um condutor genialmente louco, fazer música é também certamente seguir regras e quebrá-las ou até mesmo seguir regras a quebrá-las! É certamente aprender técnicas, apreender os mecanismos e deitá-los ao lixo, dar pontinhas de improviso aqui, tirar pedrinhas das sandálias ali, baralhar e voltar a dar.

Mas deixando estas considerações, por vezes duvidosas, um abraço grande e especial ao público, que de forma improvisada, nos transmitiu um carinho e uma sinceridade participativa de cortar a respiração!!!

Até à próxima a todos! E já agora, vão visitar-nos a

www.aquijazz.com e http://aquijazzesmae.blogspot.com

Conceitos educativos III

Plano Extraordinário de Recuperação

Quem leu atentamente o post anterior, já saberá certamente para que serve mais este papel, que é como uma recuperação do tal plano de recuperação. É como que um pedaço de milagre a instâncias superiores! Sim! É que em educação, há um nível superior de milagre!!! Há um nível superior de aquisição de conhecimentos e competências, que ultrapassa o próprio espírito do ser ou não ser, do saber ou não saber, eis a questão!!! É o tal plano extraordinário de recuperação. “Eu nem sabia que sabia isto tudo!”, dirá um aluno mais distraído. Eu pensei que não sabia nada, que não fiz nada ao longo do ano, que quase nunca fui às aulas e que quando fui só fiz asneiras… porque sim e até disse com naturalidade e esperteza que merecia chumbar! Chumbar, é um conceito que já só os alunos utilizam, pois o chumbar deixou de existir. Mas continua o tal aluno: “ Afinal, se eu sei mesmo isto tudo…passo de ano…fixe!”. Os professores são mesmo os maiores.