Loading...

2006-04-25

Ninguém prende o pensameto - 25 de Abril sempre!













Imagens: O Público; Escola das Taipas
O meu agradecimento a quem lutou pelo 25 de Abril.
O meu agradecimento para quem luta diariamente para uma sociedade melhor, mais livre, mais igual, mais fraterna, mais de todos...muito mais de todos...
Hei-delachegar!!!

2006-04-23

23 de Abril - O Livro



O livro ocupa grande parte das nossas vidas, ou por outro lado, é parte fundamental nas nossas vidas. Não gosto de ouvir dizer que o livro precisa de nós para sobreviver! Nós é que precisamos do livro!!! Sem o livro, não haveria vida que valesse a pena ser vivida, ou pelo menos, passaríamos ao lado de uma boa parte de ela. Mas o livro pode oferecer também grandes complicações. Sim, grandes complicações…
Vou tentar explicar. O grande problema do livro poderia ser a sua arrumação. Livros pelas esquinas da nossa casa. Livros pelas esquinas das casas nos nossos pais, mães e por aí fora. Livros que se acumulam nas estantes em duas e três camadas, que só fazem perder o rumo de muitos outros livros, que por vezes os compramos de forma repetida. Livros que não sabemos o que lhes fazer, pois perderam a validade nas nossas vidas. Livros que lemos e que por vezes não sabemos como foi possível aguentá-los. Livros emprestados de um ou outro amigo mais distraído, porque os distraídos nunca somos nós…claro. Livros que nos fazem relembrar momentos ou que partilharam momentos connosco. Livros que nos fazem perder momentaneamente o rumo do nosso orçamento e que numa loucura temporária foram parar lá a casa. Livros que nunca lemos e que nunca vamos ter paciência para os ler. Livros que guardamos para o futuro e que nesse futuro já nem tempo temos para os livros do presente.

Não sei, mas depois de isto tudo, o livro continua a ser uma coisa magnífica que vale bem a pena todos os sacrifícios.

Assim, o dia 23 de Abril, adoptado como o dia internacional ou mundial do livro, foi uma ideia magnífica, eventualmente adoptada de um costume catalão, onde o livro e a flor andam de mão dadas. E é mesmo de mão dada!!! Quem já viveu este dia em terras da Catalunha, já saboreou a troca de uma flor por um livro! É fantástico!

Viva o livro… que viva o livro…

2006-04-21

Tempo de espera

O tempo de espera pode ser assustador.
Em criança julgamos que nem o conseguimos aguentar e queremos deixar de o ser rapidamente!
Em muito mais criança, é simplesmente impossível existir tempo de espera, simplesmente não existe. Não aprendemos a usufruir do bom que o tempo de espera tem.
Quando somos mais velhos, jovens, o tempo de espera torna-se amargo, ambíguo e sem sentido. Ora queremos esperar…que isso passa… ora não queremos esperar… que isso nunca vai passar…

Mas vamos crescendo, vamos ficando mais velhos e mais ponderados. Fazemos da moderação um estatuto social que só a idade, aparente, pois temos que aparentar essa idade de mais velhos… que só a idade nos dá. Pois o tempo de espera continua a ser insuportável… já esperámos muito tempo, a esperar fiquei velho, já passei a minha vida à espera… e pergunto-me: À espera de quê??? Mas afinal o que é que fiz desse tempo de espera? Passei o tempo de espera a protestar do tempo de espera, o tempo passou… a esperar!!! Também viver no tempo de espera é uma arte que vale bem a pena desenvolver e porque não, a fazer arte? Seria a arte de esperar no tempo de espera. Temos que aprender e a aproveitar o tempo de espera! Estar preparado para ele, recebê-lo como quem recebe mais tempo, para ter tempo de gozar e usufruir bem o tempo de espera!

Vamos ser felizes com os tempos de espera que nos esperam!!! Todos esperámos nove meses e bem sofremos quando esse tempo de espera acabou, ou já não se lembram? Podemos não conseguir à primeira, nem à segunda, mas também foi assim que aprendemos a andar e a fazer a maioria das coisas que fazemos. Vou tentando, porque assim… hei-delachegar!

2006-04-10

Em busca de um lugar encantado

Acredito que todos têm um lugar encantado. O nosso lugar encantado!!! É só nosso, é encantado. É encantado por nós, não pode ser um lugar qualquer, encantado por qualquer um!!! Claro… parece-me perfeitamente claro. Somos o senhor do nosso lugar encantado e pode não ser perfeito! Não somos deuses para nos armarmos em fazer um lugar encantado! Mas, podemos ser o encantador do nosso lugar. Talvez já não possamos utilizar o encantamento para o nosso lugar encantado… já não seria um lugar encantado. Seria uma outra coisa, superficial, enfeitiçado, influenciado por algo que não fossemos nós, o dono do verdadeiro lugar encantado.

Um lugar encantado não é mágico, pode nem sequer ser irresistível, muito menos atractivo ou maravilhoso, mas é encantado. É arrebatador, tentador, prazenteiro e cheio de qualidades…encantadoras. É arriscado, é ousado e grandioso, mas não é fruto de um encantamento, de um qualquer feitiço que nos tolhe, deturpa e infecta facilmente o nosso lugar encantado.

Temos que resistir à facilidade do encantamento, da magia e porque não, da feitiçaria, mas não podemos desistir da procura do nosso lugar encantado. Podemos convidar quem quisermos para o nosso lugar, sermos bons anfitriões do nosso lugar, partilhar lugares encantados e depois, voltarmos para o nosso lugar! Cada um voltar para o seu lugar encantado!!! Temos que o defender, limpar, actualizar, rechear, repensar e assim, continuarmos a pertencer ao nosso próprio lugar encantado. Facilmente o nosso lugar encantado poderá deixar de ser o nosso lugar encantado… mas este é o meu lugar encantado? Pergunta…de difícil resposta…

Vamos então continuar à procura do nosso lugar encantado, mas cuidado!... com o lugar encantado. Já encontraram o vosso? Eu não mas… hei-delachegar!!!